Sujeito passivo do dano – responsabilidade civil do Estado

Captura de Tela 2014-10-14 às 00.13.56

Plenário reconhece imunidade de imóveis dos Correios quanto ao IPTU

Quinta-feira, 16 de outubro de 2014

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por maioria, que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) não recolhe o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) incidente sobre seus imóveis, uma vez que eles estão abrangidos pelo princípio da imunidade tributária recíproca. A decisão foi tomada no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 773992, com repercussão geral reconhecida.

No recurso, o Município de Salvador questionava acórdão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) que reconheceu a aplicação, ao caso, do princípio da imunidade recíproca entre os entes federativos, prevista artigo 150, inciso VI, alínea “a”, da Constituição Federal (CF). Com isso, afastou a cobrança do IPTU.

Segundo a alegação do município no RE, o serviço público prestado pela ECT não justifica a imunidade, que deve ser aplicada somente às autarquias e fundações públicas. Sustentou que a Constituição Federal veda a imunidade relativamente às empresas, e que a ECT exerce suas atividades em regime concorrencial. Já a ECT alega que não explora atividade econômica, mas desempenha serviço público de caráter obrigatório e exclusivo do Estado.

Voto do relator

O ministro Dias Toffoli, relator, votou pelo desprovimento do recurso, reafirmando entendimento do STF segundo o qual a imunidade deve ser estendida às empresas públicas e sociedades de economia mista prestadoras de serviços públicos. Ambas, segundo o relator, “fazem parte da administração pública indireta e, por diversas vezes, figuram como instrumentalidades administrativas das pessoas políticas, ocupando-se dos serviços públicos incumbidos aos entes federativos”. Assim, conforme o voto, cabe a eles o tratamento tributário próprio das autarquias e das fundações públicas.

Quanto à particularidade da atividade prestada pela ECT, o relator afirma que o STF tem concebido a empresa como prestadora de serviço público obrigatório e exclusivo do Estado e não como exploradora de atividade econômica, embora também ofereça serviços dessa natureza.

No tocante à cobrança de IPTU, o relator salientou que, para prevalecer o entendimento contrário à imunidade da empresa, seria necessária a identificação de quais imóveis se destinariam às finalidades essenciais da entidade e quais não. No entanto, diz, “é notório que os imóveis abrigam varias atividades indistintamente”. O relator ressaltou que a imunidade alcança os imóveis próprios da ECT, não aqueles de franqueados ou prestadores de serviços.

Divergência

O ministro Marco Aurélio abriu divergência e destacou que a Carta de 1988, em seu artigo 150, inciso VI, alínea “a”, ao tratar da imunidade tributária recíproca, faz referência somente aos entes políticos. “Não me consta que empresa pública ou sociedade de economia mista sejam entes políticos. Não me consta que uma dessas pessoas jurídicas de direito privado possa se dizer titular da capacidade ativa tributária”, disse.

Segundo seu voto, o caso atrai a incidência do artigo 173, parágrafo 2º, da Constituição Federal, pelo qual empresas públicas não podem gozar de privilégios fiscais não extensivos ao setor privado. Para o ministro, “o afastamento da incidência dos impostos é um privilégio fiscal”.

De acordo com o ministro Luís Roberto Barroso, a Constituição não reservou para o serviço postal a natureza de serviço público. Esse serviço, segundo o ministro, passou a ser uma atividade econômica. “O serviço postal é uma atividade econômica que, por mandamento constitucional, o Estado tem a obrigatoriedade de prestar. E ainda que fosse um serviço público, não seria de natureza autárquica. Seria no máximo um serviço de utilidade pública”, afirmou.

A maioria dos ministros acompanhou o relator e votou pelo desprovimento do recurso do Município de Salvador, vencidos os votos divergentes dos ministros Marco Aurélio e Luís Roberto Barroso.

Paradigma

A repercussão geral havia sido reconhecida pelo Plenário Virtual do STF na análise do Recurso Extraordinário com Agravo (ARE) 643686, que foi reautuado como RE 773992 e passou a ser o processo paradigma do tema.

Direito à nomeação de candidatos fora do número de vagas tem repercussão geral

Sexta-feira, 21 de novembro de 2014

O Supremo Tribunal Federal (STF) analisará o direito subjetivo à nomeação de candidatos aprovados fora do número de vagas previstas no edital de concurso público no caso de surgimento de novas vagas durante o prazo de validade do certame. O Plenário Virtual da Corte reconheceu a existência de repercussão geral no Recurso Extraordinário (RE) 837311, interposto pelo Estado do Piauí contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça local (TJ-PI).

Na origem, trata-se de mandado de segurança impetrado por candidato que concorreu a vaga para o cargo de defensor público do Estado do Piauí. Conforme o acórdão questionado, a discricionariedade do poder público de nomear candidatos classificados fora do número previsto no edital deixa de existir a partir do momento em que a Administração pratica atos no intuito de preencher as vagas surgidas e demonstra expressamente a sua necessidade de pessoal.

Em decisão unânime, o TJ-PI entendeu que, se a Administração anuncia a realização de novo concurso dentro do prazo de validade do anterior e nomeia candidatos aprovados fora da ordem classificatória e do limite de vagas do edital, o ato de nomeação dos aprovados, mesmo que além do número inicialmente previsto, deixa de ser discricionário para tornar-se vinculado, convertendo-se a mera expectativa em direito líquido e certo.

No recurso extraordinário apresentado ao Supremo, o Estado do Piauí sustenta que o acórdão do TJ local violou os artigos 2º; 5º, inciso LV; 37, incisos III e IV, da Constituição Federal. Alega que a decisão atacada seria nula, pois teria determinado a nomeação e posse de candidatos aprovados fora do número de vagas oferecidos no edital do concurso público para provimento de cargos de defensor público estadual, sem comprovação de ter havido preterição.

Manifestação

O relator do processo, ministro Luiz Fux, observou que a discussão tem sido decidida de forma divergente pelas duas Turmas do Supremo. Por isso, ele destacou a importância do pronunciamento do Plenário sobre o tema, a fim de que seja fixada tese, “de modo a assegurar a segurança e a previsibilidade necessárias nos inúmeros certames públicos tanto para a Administração Pública quanto para os candidatos aprovados”.

Para o ministro Luiz Fux, as questões relativas aos concursos públicos são recorrentes “e indicam a relevância da controvérsia travada nos autos, que, de longe, supera os estreitos limites desta lide”. Assim, o relator considerou a existência da repercussão geral da questão constitucional suscitada, manifestação que foi acompanhada, por unânime, em análise realizada por meio do Plenário Virtual.

Direito de regresso – art.37, §6° da CF

Captura de Tela 2014-10-14 às 00.21.05

Responsabilidade civil do Estado – omissões

Captura de Tela 2014-10-14 às 00.20.39

DESCONTO

Captura de Tela 2014-08-12 às 15.17.00

Página 1 de 9212345...
Adquira os Livros
    • Como Passar Concursos Jurídicos 15mil questões comentadas

      Comprar
    • Como Passar Concursos Jurídicos 6mil questões comentadas – COMPACTO

      Comprar
    • Tudo em Um para Concurso de Escrevente do TJ/SP

      Comprar
    • Tudo em Um para Concursos do TRT

      Comprar
    • Como Passar em Concursos VUNESP

      Comprar
    • Vademecum 2°semestre 2014

      Comprar
    • Manual de dicas 1ª fase da OAB

      Comprar
    • Passe em Concursos – Direito Civil 2

      Comprar
    • Como Passar em Concursos FCC

      Comprar
    • Passe em Concursos – Direito Ambiental

      Comprar
    • Passe em Concursos – Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos

      Comprar
    • Passe em Concursos – Direito Empresarial

      Comprar
    • Como Passar Em Concursos da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar

      Comprar
    • Passe em Concursos Direito Civil I

      Comprar
    • Passe em Concursos Nível Médio

      Comprar
    • Como Passar em Concursos Jurídicos

      Comprar
    • Como Gabaritar Disciplinas Básicas Para Concursos

      Comprar
    • Como Passar em Concursos do INSS

      Comprar
    • Como Passar em Concurso Polícia Rodoviária Federal

      Comprar
    • Manual de Dicas Ministério Público (Federal/Estadual) – Saraiva

      Comprar
    • Manual de Dicas Delegado (polícia civil e federal) – Saraiva

      Comprar
    • Como Passar em Concursos de Analista. 2014

      Comprar
    • Ministro Marco Aurélio Mello – ACÓRDÃOS – Comentários e Reflexões – Acompanha CDR

      Comprar
    • Leituras Complementares de Direito Administrativo – Licitações e Contratos

      Comprar
    • Como Passar em Concursos Policiais – 2000 Questões Comentadas – 2014

      Comprar
    • COMO PASSAR EM CONCURSOS DA CESPE – 2014

      Comprar
    • Ministério Público – Col. Passe Em Concursos Públicos – Questões Comentadas

      Comprar
    • Direito Administrativo I – Col. Saberes do Direito – Vol. 31

      Comprar